Seguidores

quinta-feira, 18 de abril de 2013

CAPÍTULO 12

Sunny -  Jennyfer Hunter

Quando fechei a porta daquele apartamento, fiquei parada no corredor por um tempo. Minha mente estava repassando tudo o que tinha acontecido desde a primeira vez que meus olhos haviam mirado os dela. Desde a primeira vez que meu peito se encheu de alegria e pulsou mais forte, intenso, assim que aquela mulher me beijou... lembranças do momento de prazer passados nas quase duas últimas horas com ela... era difícil lidar com essa dor pungente no peito.... dor que vinha mais pela certeza de que Camila não estava consonante às minhas expectativas. Eu queria me enganar, acreditar que podia fazê-la viver no presente, que poderia gostar de mim. Ceguei-me para todos os sinais que ela me passara em todos os nossos encontros. Desde o inicio ela deixava claro sua imensidão de dúvidas, de medo... Mas me deixei enganar quando ela, mesmo que um pouco, se permitiu sentir, beijar... sair daquele casulo por alguns instantes. Deveria ter parado justamente no momento em que ela propunha somente sexo. Sabia, mas não queria ter certeza de que seria uma relação apenas de pele, de desejo, de satisfação carnal. Apenas isso. Mas ceguei-me novamente. Afinal, ter tido aquelas noites com ela havia aberto meus olhos para outro mundo, para outras formas de prazer... 
Só me dei conta de que ainda estava no corredor quando um vizinho dela saiu para jogar o lixo na lixeira. O elevador já estava parado e aberto pra eu entrar, mas eu estivera ali parada sei lá por quanto tempo. O rapaz me olhou... abaixei os olhos na hora, ao mesmo tempo que me enfiava adentro do elevador, como um avestruz que enfia a cabeça no buraco. Enquanto o elevador descia, ficou claro pra mim que o que havia acontecido teria sido um tácito fim. Sequei as lágrimas que escorriam lenta e compulsoriamente pelo meu rosto... subi na moto... sequei novamente o rosto... olhei pra janela dela acreditando que ela pudesse estar lá, e que fizesse um sinal pedindo para eu voltar... mas sabia que isso era apenas um desejo desesperado de quem não queria ver, perceber a realidade. Coloquei o capacete ... Dei partida na moto, sabendo e tendo mais do que total certeza de que nunca mais voltaria àquele lugar. 


Em uma hora havia chegado em casa... taciturna e absorta ainda em meus pensamentos. Ao abrir a porta de casa, a dor voltou mais intensa, pois a sala me fazia lembrar dela. Ao ir para o quarto foi pior... a visão dela em cima da cama era quase material... causando uma dor lacerante, quase física. A cura seria sentir Camila para poder esquecer qualquer vestígio de tormenta. Mas ela não se materializaria ali. 
Eu precisava realmente entender que havia alimentado, inflado essa ilusão de ter um relacionamento com Camila. Na verdade, eu havia caminhado sozinha por todo esse tempo.  Percebi que eu tinha duas saídas para lidar com essa situação... ou eu aprenderia a viver com aquela frustração ou teria de esquecê-la definitivamente. Restava responder à pergunta: como? 
Cansada de tanto pensar, apertei o on/off do som e fui tomar banho para refrescar a cabeça um pouco. Deixei a água cair e tentar levar consigo todos os sentimentos surgidos nesse lance com Camila... decepção, frustração, mágoa... escorrendo gota por gota... como se pudessem deixar meu corpo e pensamento assim que descessem pelo ralo. Fechei os olhos desejando que ao abri-los novamente, pudesse não mais lembrar-me daquele sorriso tímido, mas radiante; dos gemidos e do seu cheiro. No entanto, sabia que piscar os olhos não operaria milagres na minha vida. Abri os olhos e... Desisto! Estava ela lá novamente... de forma mais branda, mas ainda estava lá. Dei aquele sorriso de quem sabia que estava perdida e que sabia que seria difícil. E isso ficou ainda mais claro quando entrei no quarto e a primeira imagem que me veio foi a de nós duas transando naquela cama. Me joguei de costas na cama, abracei o travesseiro imaginando ser ela... lembrei-me dos momentos em que ela acariciou meus seios, beijou e alisou minha pele, até me fazer descobrir uma miríade de prazer quando me tocou com aquela língua quente, ágil, destra e maravilhosamente gostosa. Mas logo depois, acabou com tudo quando se levantou e foi embora... me deixando como uma prostituta, que acabara de dar prazer, recebera seu pagamento e pronto. 
Aquele pensamento foi me gerando raiva, pois vi que fui uma tola, ingênua em achar que ela se livraria da figura da mulher para ficar comigo. Eram anos juntas, com o amor intensificado por conta da perda repentina e inexplicável da esposa. Eu achando que a faria esquecer da minha homônima, sem perceber que eu alimentava ainda mais a tormenta nela. Ela ficava comigo, me procurava simplesmente porque o sexo era bom. Bom não. Era ótimo... sensacional...  Mas acho que, a procura era por ela perceber que era tudo novo pra mim, e sendo assim, mesmo que de forma inconsciente, sentia e via que podia ter o controle da sua vida, pelo menos, quando estava comigo. 
A música que tocava no rádio reproduzia no ar...  

Pode seguir a tua estrela
O teu brinquedo de "star"
Fantasiando um segredo
No ponto onde quer chegar... 
O teu futuro é duvidoso
Eu vejo grana, eu vejo dor
No paraíso perigoso
Que a palma da tua mão mostrou....” 

É.... o meu futuro era duvidoso, ou melhor, seria duvidoso se continuássemos nessa relação de troca onde não havia troca. 

Quem vem com tudo não cansa
Bete balança o meu amor
Me avise quando for a hora
Quem tem um sonho não dança
Bete Balanço
Por favor!
Me avise quando for embora

- Não! Não avise, Camila. Eu que vou te mandar embora... vai demorar, eu sei. Mas você vai sair da minha vida. 
Falei baixinho...enquanto sentia o cheiro do travesseiro que ela tinha dormido. 
E então, num rompante, joguei o travesseiro longe enquanto gritava: 
- Chega!!! 
- Chega!!!
Levantei com raiva e fui até o armário para pegar uma roupa para vestir, afinal ainda estava enrolada na toalha. Naquele momento, enquanto caminhava até o móvel, olhei pro meu quarto e tive uma ideia. Isso! Precisava era dar uma faxinada na minha vida. Como dizia a música... “levanta, sacode a poeira e dá volta por cima!” 
E a arrumação da bagunça iria começar exatamente por aquele cômodo. 
Vesti uma bermuda larguinha, um top, prendi o cabelo em um coque... fui até a cozinha, abri uma latinha de cerveja e no caminho de volta para o quarto aumentei o volume do som. 
Comecei arrastando a cama, trocando-a de lugar... troquei também a penteadeira, colocando-a ao lado do guarda-roupa. Tirei os quadros de uma parede e coloquei em outra... tirei o espelho grande e separei, pois, iria customizá-lo depois. Tirei várias roupas do armário e fui jogando em cima da cama as que eu não queria mais... iria doar tudo. Enquanto varria, limpava e ordenava o quarto, abri varia latinhas... as músicas ecoavam pela casa e eu cantava todas. Engraçado que... sempre que você tá sofrendo por amor, todas as músicas são com letras que se encaixam no seu sofrimento. Algumas nem são, mas a gente acaba dando um jeito de encaixá-las, nem que seja uma única frase. Imaginava que cantava pra Camila...  ora chorava com uma letra mais romântica... ora sentia raiva dela... e então, bebia ainda mais... 
- Covarde! 
Um gole... 
- Medrosa! 
Outro... 
- Linda! 
- Gostosa! 
mais um gole seguido de um sorriso bobo, saudoso, controverso... 
Dessa vez a lembrança dela não me causou dor... talvez pelo torpor provocado pela bebida... talvez... 
Fui até a cama e me joguei nela... estava cansada. Tudo que eu queria era apenas que aquele dia passasse e amanhã tudo fosse diferente. Meu pensamento foi buscar Camila... aparecia sorrindo pra mim... queria tocar seu rosto, mas não conseguia vê-lo claramente... eu apenas sentia, via seu sorriso, reconhecia... a cabeça rodou um pouco mais forte... balbuciava seu nome... lentamente enquanto mais imagens surgiam, brotavam em minha mente... tinha muita gente ali... luzes de várias cores... o som bem alto e muita gente sorrindo, brindando... apareciam pessoas jovens, rostos familiares... todos se divertindo... dançando... e ela lá... se aproximando de mim... lenta e sedutoramente... a sensação era de eu estar sentada esperando apenas ela chegar mais perto... Linda!!! Completamente radiante, alegre, segura... chegou perto de mim... olhou bem no fundo dos meus olhos... olhei de volta... mas seu rosto não ficava claro pra mim... as imagens mudavam muito rapido... mas ela ainda estava lá... sorrindo e com uma coragem maliciosa a ouvi perguntar: 
- “fica comigo essa noite?” 
Calor... multidão... flashes... um beijo... felicidade... outro beijo... fogos... e depois um apagão. 



Acordei jogada em cima daquele montinho de roupas separadas. Toda torta. Gemi ao me mexer para sair da cama. Espreguiçar foi automático... estalar tudo também. Quando levantei, fiquei parada e olhando para toda aquela arrumação que eu havia feito. Os móveis em lugares diferentes... o armário com as portas ainda abertas e com as roupas arrumadas... diversas latas de cerveja sobre a escrivaninha... Agora a dor fazia todo o sentido! Ri de mim mesma. 
Levei as latinhas para a cozinha, fiz café, tomei banho e voltei para a cozinha afim de preparar algo para meu almoço. O dia correu bem rápido... mantinha minha mente ocupada pensando em diversas coisas que precisava resolver na semana e uma delas era... pensei em Gabi... tinha de conversar com ela. 
Depois dela ter ido embora daquele jeito, e dentro da sua razão, eu não a havia procurado. O que me torna ainda mais idiota. Eu precisava acertar as coisas. Só não sabia ainda como me aproximar dela novamente. Já havia sido super sacana com ela por tê-la usado para fazer ciúmes na outra. E procurá-la justo agora, depois do que aconteceu com aquela que não digo mais o nome, me parecia oportunismo da minha parte. Mas não era... sério. Não era. O que aconteceu ontem, serviu para me mostrar que eu não podia ter feito aquilo na boate com ninguém, muito menos com uma pessoa tão legal como a Gabi. 
Desde a hora que eu havia acordado, a imagem dela rondava minha cabeça. Não entendia como podia ter ido dormir pensando em uma e acordar com outra. Era coisa de gente louca!


Almoço pronto... sentei pra ver tv e comer. A reportagem da emissora falava sobre um evento que teria em Itapema... e a partir daquele momento, eu só olhava pro aparelho, mas não prestava atenção em nada... minha cabeça me levou exatamente para o dia em que havia reencontrado a loira depois de anos sem vê-la... naquela festa de aniversário... linda, radiante, feliz... ela tinha se tornado uma mulher e tanto. Nunca poderia imaginar que um dia eu e ela sairíamos... Acabei me perguntando porque não tinha sido com ela em vez de com a indecisa de Blumenau? Pois é... nem sempre temos resposta para tudo, não na hora em que perguntamos. 
Pensei em dar uma volta na praia e visitar minhas amigas, já que não falava com elas desde a minha última vez no pub. Mas antes, eu iria tentar resolver a minha situação com a Gabi. Peguei meu celular, olhei nas ligações recentes e deslizei o dedo para a direita... o tom era de chamada. Nada. Insisti pela segunda vez... só chamando. Tentei mais umas quatro vezes... sem sucesso. Ou ela realmente não estava vendo as ligações ou estava me ignorando. E só tinha um jeito de eu descobrir qual era a opção. 



Troquei de roupa, peguei minha jaqueta, o capacete e parti. Em questão de minutos estava na porta da casa da Gabi. Depois de estacionar, falei com o porteiro e pedi pra avisar que estava ali esperando por ela. O senhor interfonou pra dentro da residência e voltou me dizendo que sua patroa não estava em casa. Ora... ele achava que eu era trouxa? Respondi a ele: 
- Senhor... eu sei que ela está em casa. Eu preciso muito falar com ela. Diga que é rapidinho... por favor. 
E não é que ele interfonou novamente? Bingo! Ela estava em casa, sim!!! Só não queria me atender. 
Minutos depois, ele falou novamente o que já havia dito. Estava era me fazendo de palhaça... isso sim. 
- Tudo bem! Tenho todo o tempo do mundo... Vou ficar aqui até ela me atender. 
Ele deu de ombros, desligou o interfone e voltou a olhar pra tela do seu computador. E eu, ali fiquei... andando de um lado a outro do portão enorme daquela mansão.  Cinco, dez, vinte, meia hora e nada... Eu havia enviado diversas mensagens no zap, ligado inúmeras vezes, e ela simplesmente me ignorava. O senhor já estava com aquela cara de compaixão... com pena de mim por estar ali aquele tempo todo. Quando estava indo falar com ele novamente, tentar pela ultima vez, meu telefone tocou. No display apareceu o nome do meu amigo. Atendi... 
- Fala, Nêgo! 
- E aí, morena... tudo beleza? 
- É... tudo... 
- Ih! Não senti firmeza nisso aí... tá em casa? 
- Não... To aqui em frente à casa da Gabi. 
- Ora, ora! O que fazes aí, mocinha? A pegação tá andando é?  
- Nada disso... vim aqui pra conversar com ela, mas o porteiro tá dizendo que ela não está. Ela não quer falar comigo. 
- Ah! Agora entendi essa voz de desanimada... já rolou briguinha das pombinhas, foi? 
- Para, cara! Não temos nada... 
- O que foi que eu perdi nesses dias hein? Tô ficando confuso, girina... 
- Então... eu agi de forma errada com ela, e vim aqui pedir desculpas. Mas ela deve estar muito p da vida. Não me atende no celular, não retorna minhas mensagens no zap... e ainda manda o porteiro falar que não tá em casa. 
- Entendi... agora entendi. Olha... o Nando acabou de falar com ela... não tem cinco minutos. Ela tá em casa, sim, viu? 
- Safada!!! 
- Ela ou você? 
- Ela, ué.  
Ri... 
- Ah! E pelo que ele tá me falando aqui... parece que ela está bem chateada contigo mesmo.
- Com.. como assim? Ela comentou algo com ele? Me deixa falar com o Fernando... 
- ...Tá louca? O homem é meu.. sai pra lá.  
Depois de rirmos, ele me contou que os dois estavam ficando desde o aniversário da Gabi... e que ela havia ligado pro Nando, logo depois de ter saído de lá de casa, e dito que não queria me ver nem tão cedo. 
Entendi que ela estava realmente falando sério em não querer me ver... 
- Vai fazer o que depois disso que te falei? 
- Vou continuar tentando... preciso muito me desculpar. 
- É amiga... você pisou um pouquinho na bola... 
- Eu sei... por isso vou tentar mais um pouco. 
- Isso! Tenta mesmo! Nando tá aqui falando que Gabi é mulher pra casar, viu? Que eu deveria passar a madrugada aí, até ela sair pra trabalhar. 
Ri do comentário... “...Gabi era mulher pra casar...” 
Eu nem estava pensando em nada disso. Só queria que ela me desculpasse e que, se um dia nos encontrássemos, que não ficasse um climão. 
Me despedi dele, mandei beijos pro Nando e voltei lá no porteiro. 
-  Meu senhor... eu sei que ela tá em casa. Tenho fontes seguras disso. Então, por favor, diga a ela que eu sei que ela tá em casa e que não quer me atender. Que só irei sair daqui depois que ela falar comigo, ok? 



O moço desligou o sinal do interfone e não me deu a mínima. Nem pegou o telefone pra se comunicar internamente. O sol iria embora em instantes... a noite estava para chegar, e eu já estava ficando cansada dessa brincadeira. Ficando com fome, com sede e com vontade de fazer outras coisas... Tudo tinha limites!!! 



Fiquei por lá mais uns vinte minutos... nesse período eu olhava no zap pra ver se ela tinha ficado online... completamente off. Ligava e nada. Então, numa cartada final, antes de desistir e voltar pra minha casa, pedi pro porteiro dar um recado... bem específico e provocativo...  



- Senhor... diz pra ela que eu vim aqui porque ela está com um item meu muito valioso pra mim. Que ela podia ficar com raiva de mim eternamente, mas que tinha que devolver a minha blusa, que foi minha biza que me dera. E que eu tinha esperado esses dias todos pra ela devolver... mas como ela não se mostrou interessada, tive que vir cobrar. 



Ele achou graça... pegou o interfone e falou exatamente o que eu tinha pedido. 
Ele acenou positivamente com a cabeça... colocou o telefone no gancho... e de repente, ouvi o estalo do portão sendo aberto. 
Funcionou!!! 
Por que não tinha pensado nisso antes? 
Passei do primeiro portão... entreguei minha identidade pra ele anotar e depois disso, ele me orientou pra onde ir. 
Quando cheguei na entrada da sala, lá estava ela... de pé me olhando com os braços cruzados. Nos encaramos por um instante... não conhecia aquela cara de enfezada dela... e que a deixava ainda mais linda...  e foi ela quem quebrou o encanto:  
- Se veio por causa de uma blusa, pegue-a. 
Quando ela descruzou os braços e fez o gesto apontando as duas mãos para seu corpo, gelei... a danada era tinhosa... estava vestida com a minha camiseta e eu não tinha nem percebido. Soltei uma gargalhada alta... Ela ficou um pouco desconcertada... acho que não esperava essa minha reação... 
- Qual foi a graça, Sunny? 
Depois que recobrei a postura, caminhei pra mais perto dela... 
- Não... é que... é sério que você fez isso, Gabi? 
- Isso o que? 
Perguntou confusa... 
Eu me aproximei dela a ponto de ficarmos a quatro palmos uma da outra... nos encaramos... ela falou:
- Você quer a camisa? 
- Sim... 
- E não tá enxergando que estou usando? 
- Sim... 
De repente, a intenção de apenas ir lá pra pedir desculpas sumiu diante da tensão e tesão que pairavam naquele ambiente... deixei-me guiar... A distância diminuiu para dois palmos... ela provocou: 
- E aí... como vai levar embora? 
- Tirando de você... assim... 
Puxei ela firme pelo braço, enquanto que com o outro a encaixava em mim... o beijo foi intenso, ardente, quase violento... era com uma urgência, urgentíssima que Gabi se deixava levar... os amassos foram ficando mais necessários... ela se apoiou nas costas do sofá... e eu me encaixei entre suas pernas para melhor apertar aquela bunda deliciosamente torneada... era quase irracional o desejo que estava sentindo por aquela mulher... e a reciproca me parecia verdadeira... sussurrei em seu ouvido... passei minhas mãos por debaixo da blusa... ela soltou um gemido quando acariciei seus seios... 
- Vamos sair daqui ? 
Perguntei enquanto tentava tirar a blusa dela... E nesse momento, ela parou... se separou de mim ... me olhou...se recompôs... voltou a blusa ajeitando-a no corpo... deu um sorriso e me disse: 
- Vamos, não... você vai. 
Perplexidade definia o momento... 
- O que? Tá de ... 
- Brincadeira? Não, Sunny... pode ir... 
- Mas Gabi... e isso que aconteceu agora... 
- Isso? Não foi nada... ou melhor, foi só uma necessidade de te usar... só isso. 
Enquanto eu ajeitava meus cabelos, a olhava já entendendo o que ela quis dizer... 
- Ah... entendi! Você quis me dar o troco... Tudo bem. Troco dado. 
- É... agora vai... saia da minha casa, por favor. 
Cheguei mais perto dela... ela deu um passo pra trás... se desse mais dois, encostaria na parede... E fui falando... 
- Gabi... eu sei que errei feio com você, tá? Eu usei você pra colocar ciúmes na Cam... – uma pausa dramática.... continuei... – naquela pessoa na boate. E de verdade, eu vim aqui porque queria te pedir desculpas pelo que fiz. Eu deveria ter jogado abertamente contigo, mas... não fiz. Fui uma sem vergonha e covarde... Me desculpa. 
Quando terminei de falar, estávamos novamente bem próximas... ela ficou me olhando... me avaliando... e depois de um breve silencio, falou: 
- Brigou com ela, né? 
Levantei uma sobrancelha ... desconfiada... onde ela tava querendo chegar? 
- Não... necessariamente... 
- Não? Então... fala o nome dela... fala?
Que perspicaz! Ela havia percebido o meu vacilo... danada! Eu tinha prometido que não pronunciaria o nome dela, pelo menos por um tempo, mas... 
- Isso é mesmo necessário? – Indaguei-a. 
- Sim... quero que fale o nome dela olhando pra mim. 
- Senão o que? 
- Senão a porta da rua é serventia da casa.  E irá sem sua blusa... 
Ela falou séria. 
Segurei a mão direita dela com as minhas duas... olhei pra ela, e sem vacilar soltei em volume baixo: 
- Ca.mi.la! 
- De novo... 
Ela só podia estar de sacanagem... mas obedeci... 
- Camila!!! 
- Mais uma vez... mais alto e forte... 
O que ela queria, afinal? Acabei gritando, proferindo aquele nome diversas vezes...  
- CAMILA!
- CAMILA!
- CAMILA!
- MERDA!!!
- MERDA!!! 
Estava com raiva e com os olhos cheios de lágrimas quando terminei aquilo... e Gabi, parecia satisfeita... ela me abraçou com força, e olhando pra mim, me disse: 
- Você precisava disso, Sunny... 
Enquanto ela segurava meu rosto entre suas mãos... continuava a falar...  – Sei que ainda sofre por ela... mas vai passar. Enquanto estiver ventando, não adianta nada continuar varrendo. E me deu um selinho...terno, cálido e cheio de significados...  
Fiquei paralisada... absorvendo aquele ultimo momento. Era muito pra minha cabecinha confusa... 
Quando abri os olhos... ela sorria graciosamente pra mim... 
A agradeci por aquele momento... disse a ela que realmente tinha sido libertador... e que... ela era uma pessoa maravilhosa... que se eu pudesse trocar as pessoas, escolheria ela. Gabi colocou o dedo indicador nos meus lábios e me disse que, se não fosse o passado, aquele presente não estaria acontecendo... e que futuro poderíamos ter? Perae! Entendi bem? 
- Futuro? Você diz... eu e você? 
Olhei pra ela... que ainda sorria pra mim... 
- Sim! Ou você só veio aqui pra me pedir desculpas? 
Ela estava coberta de razão... no fundo, no fundo, bem no fundinho... eu queria era me acertar com ela... e dar-me uma chance para conhece-la melhor... porque não? 
Envolvi Gabi com meus braços... fiquei mirando, admirando, fotografando aquele rosto... até que falei: 
- Fica comigo essa noite? 
Ela sorriu... me beijou de um jeito quente, férvido... seguiu dando beijinhos em meu pescoço...  lambeu vagarosamente o lóbulo da minha orelha direita provocando espasmos incontroláveis... chegou no meu ouvido e, numa voz rouca de desejo e tesão disse: 
- Terceira porta à esquerda depois de subirmos às escadas. 

  
postado originalmente em 25 de Julho de 2013 às 18:00

23 comentários:

  1. Eah ate compreensivel tds as interrogacoes que atormentam a Sunny... Aiiiiii meu Deus! O que sera que Camila respondeu?! Onde ela se meteu esse tempo todo?! Curiosidade... Ansiosa pra saber... Adoreii o capitulo *o*... Sera que agr vai?! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andressa, a Sunny está passando por um momento em que ela precisa se permitir para pelo menos tentar. A Camila mostra que gosta, mas não deixa tão claro que tem coragem pra levar a sério essa relação. Por mais até agora tenha sido só sexo, Sunny tem lutado até com ela própria. Ela tb quer, mas não quer se machucar, e Camila cada vez que sai mais do buraco que se enfiou, se machuca mais. Então fica difícil dela sair do casulo, não acha?
      Eu espero mesmo que a Sunny seja feliz, que encontre alguem que dê a ela o que ainda não foi dado por ninguém: Amor!
      Vamos ver no que dá, né? O que será que Diedra vai aprontar no cap. 13??? Responde ai, amiga!!!
      Beijos cariocas!!!

      Excluir
  2. Aiii Jhenny, sério que você fez isso com meu fim de semana... acho que ou ficar igual a Sunny, "pensando na Camila" kkkkkkkkkkkk
    Nossa! Cada capítulo sinto meu fôlego se dissipando linha após linha...rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saraaaah minha queridona!!! Desculpe, mas eu tive que fazer! rsrsrs Até eu vou ficar a semana toda pensando na Camila. E Diedra tb! rsrsrsr
      Cuida desse fôlego hein. Tem muita coisa para acontecer e vc precisar estar em boa forma para aguentar! rsrsrsr
      Beijooooooooooooooooooos

      Excluir
  3. Respostas
    1. Gostou, Neiza??? Eu fico feliz. Foi um capítulo dificil de escrever, pois a Sunny tá muito vacilante... e ela tinha que jogar tudo pro alto e nem se importar com tudo isso. Mas como a gente não manda no coração, ai já viu né?
      Ou ela dá de ombros ou ela tenta algo pra ver se dá certo!!!
      Espero que continue gostando!!!!

      Excluir
  4. Ansiosa pela resposta da Camila... Tem que ser agora... Jenny vc e a Di são feras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunes... tem que ser agora né? Concordo plenamente!!!
      Mas será que elas sendo tão diferentes dariam certo???
      Vamos ver né???
      Beijos linda e obrigada!!!!

      Excluir
  5. Jhennyyyyyyyyyyyyy.... Isso não se faz heeim?!?!?! Como vooc acaba o capitulo desse jeito? Unnf.... Mas fora isso, gostei bastante do Capitulo, me identifico bastante com a Sunny... Seria uma boa ela da um gelinho na Camila, mas eu qro que elas fiquem juntas, a final a Sunny tá apaixonada então não tem pra que fazer joguinho. rsrs Beiiijos, esperando proximo capitulo... :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amore, eu não vejo que haja disputa entre as duas e principalmente compromisso. Vejo que as duas estão em momentos muito distintos. Camila ficou com Flávia com a mesma desculpa que Flávia usou para ela. Lembra que Flavia disse que ficou com a Camila pq era o único jeito de ter a Camila? O que Camila fez foi tentar se encontrar ou até mesmo descarregar toda a sua mágoa, sua dor na Flávia. Eu até acho que ela só transou com a Flávia pq já tinha transado com Sunny. Não acha? Agora... a Sunny transou com Gabi pq não tá presa a ninguem formalmente. Ela gosta da Camila...sente uma atração por ela. Mas não sabe se dará certo. E como ela entrou em um universo novo, acabou se permitindo conhecer outra. É até importante para Sunny no que tange a suas escolhas futuras... agora vamos ver o que vai acontecer né? Tem muita gente torcendo pela Flávia, como tem gente torcendo pra Camila ficar com a Sunny. Mas só os acontecimentos e a opinião de vcs é que podem dizer o que vai acontecer!!!!

      Super beijos mais que cariocas pra vc, linda!!!

      Excluir
  6. - Poxxa velho, ela fez isso mesmoo'! Nossa meu DEUS cap maravilhosoo ameii' .. quero saber qual é dessa Fláviia mesmoo' muito misterio ..
    .. Put's vou ficar muito anciosa ate o proximo cap. rsrs' Oque sera que a camila respondeu? noossaa'!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nynha... sei não... acho que tem algo de misterioso na Flávia, não acha? rsrsrs Se Diedra ler isso, vai me matar! rsrsrsr Eu tb quero MUITO saber o que Camila respondeu! rsrsr
      Vamos aguardar o que a mente brilhante da Diedra vai nos trazer quinta que vem!!!!
      Super beijos cariocas, linda!!!!

      Excluir
    2. - Nossa, é uma jogando a bomba para a outra hein? qero qdo explodir rsrs' to anciosa para esse diia rsrs.. Vamo esperar oque ella nos prepara no proximo cap. t
      .. Beijos'

      Excluir
  7. aaaaaaaaaai não por favor!!!!!!! gente como assim, Camila some? Flavia vai atrás e com certeza estava possessa de ciúmes achando que ela estaria com a Sunny ainn gente ja tem o o proximo capitulo? ansiedade a mil aqui.
    Capitulo mara Jenny

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivi, tb quero muito saber pq Camila não quis atender a "melhor amiga". Mas veja, ela atendeu a Sunny. Isso não é um bom sinal?
      Que quinta chegue logo!! Tb to ansiosa!!!! Bjs

      Excluir
  8. A Sunny tá muito safadenha pro meu gosto... Mas quem tem que gostar dela não sou eu e sim a Camila.
    Eu entendo o dilema da Sunny: logo ela, uma guria do mundo, que vive sem amarras, que vai pro lado que o vento soprar... Se apaixonar por uma bundona como a Camila (desculpa aí, Diedra... mas a Camila é bundona até pros meus padrões!), alguém que tem a vida toda burocrática como o próprio trabalho e ainda por cima com dois pesos mortos na bagagem emocional: o fantasma da @#$%&% da Sandra e a @%$$#¨*¨% da Flávia.
    A questão, por enquanto, vai ser as duas se conhecerem melhor e aceitarem as diferenças.
    Mas e mais tarde, hein ô Dona Sunny: teu barquinho vai se contentar em ficar atracado só na porto da Camila ou tu vai querer navegar por outros mares?
    Capítulo maravilhoso, Jenny.
    Aguardando o próximo capítulo.
    Beijão.

    Jessie Turner

    ResponderExcluir
  9. ahhhhhhhhhhhhhhhhh ja quero oh 13 pela mor deus !!
    fiquei um tempo sem comenta, mas aqui estou eu rsss.
    como sempre perfeito . bjimmm.

    ResponderExcluir
  10. Adoreiiiii!!! Só que continuo com uma dúvida cruel... " O que a Flávia falou cochichando para a Camila na balada que a Sunny não ouviu??" Ótimas escritoras e as duas juntas não poderia dar resultado melhor!! Muito ansiosa para o próximo capítulo. :D

    ResponderExcluir
  11. Ansiosa para próximo capítulo como sempre. rs
    Talita G.

    ResponderExcluir
  12. #chatiada
    quando o êxtase está além vem o fim do capitulo
    mas feliz pq quinta jaja ta ai
    parabéns meninas arrasaram

    ResponderExcluir
  13. Ai Jenny, gostei do seu capítulo. Vc escreveu muito bem !

    Adorei que a Sunny se libertou e curtiu uma noite com a Gabi. Isso fez bem para ela ver o quanto ficar com uma mulher é bom e ter a certeza do que ela busca para a sua vida.

    Acho que Sunny e Camila estão precisando de um momento vida real, com conversas francas, rotina de casal, problemas de dia a dia e acho que isso vai enriquecer muito a história. Vai ser bom para elas saberem se o que sentem é apenas uma atração sexual muito forte ou se tem também uma paixão nascendo entre as duas... Ansiedade para quinta está grande....

    Quanto a Flávia, cada dia gosto mais dela. Ela realmente gosta da Camila, para ir procurar ela na casa de Sunny, sabendo o que poderia presenciar. É um amor masoquista, mas torço para que ela e a Camila se entendam e tenham uma história de amor bonita também..

    Vamos ver esse desenrolar da história....

    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Mto ótimo, cada capítulo mais intrigante... Amando!
    gurias vcs sao feras!! Bjooo

    Paola

    ResponderExcluir
  15. eeee Jenny , como vc gosta de me deixar pensando viu, eu quero muito saber da resposta da Camila...gostei da atitude da Sunny, ela me encanta ...e a Flávia em? o que sera que ela ta aprontando? eu to adorando ela, e é verdade ,eu também to com essa duvida, o que a Flávia falou cochichando para a Camila na balada que a Sunny não ouviu ??(Diego Aparecido)

    ResponderExcluir