Seguidores

quinta-feira, 18 de abril de 2013

CAPÍTULO 14 - PENÚLTIMO CAPÍTULO






Músicas que embalam o capítulo:

Quase Nada - Zeca Baleiro
http://www.youtube.com/watch?v=saw8Y1RJJtA

Camila, Camila -  Nenhum de Nós
http://www.youtube.com/watch?v=5WOk2x_yNDk


Sunny - Jennyfer Hunter

Abri a porta e lá estava ela com um olhar diferente de todos os outros que já me destes. Sorri de forma condescendente àquela presença e fiz sinal para que ela entrasse. Ao fechar a porta, a primeira coisa que fiz foi lançar-lhe uma pergunta, muito embora quisesse beijá-la. Mas Camila não me deu ouvidos. Sequer se deu o trabalho de me responder. Foi avançando pausadamente até chegar a mim,  que estava ainda parada diante da porta fechada. Fiquei imóvel, inerte, totalmente sem saber o que fazer à medida que ela se aproximava.  Camila colou o seu corpo no meu, pegou minhas mãos e as prendeu com as suas na altura da minha cabeça. Aquela mulher se posicionou de uma forma que era completamente impossível me desvencilhar, mesmo que eu quisesse de verdade. Olhou nos meus olhos... movimentou sua boca até meu ouvido e sussurrou dentro dele: - Quero você! Preciso!
Tomou minha boca e a molhou com um beijo carregado de volúpia, desejo... sua língua se insinuava por dentro dos meus lábios tentando invadir qualquer espaço. Minhas mãos presas não me deixavam explorar aquele corpo quente que comprimia o meu a ponto de me deixar completamente excitada. Eu queria segurá-la, agarrá-la e tirar sua roupa, mas Camila estava voraz, sedenta... como se precisasse de mim para sua sobrevivência. Soltou suas mãos, mas apenas para dar continuidade à tortura. Ordenou que eu não a tocasse e nem me mexesse. Retirou minha blusa e adorou ver que eu estava sem outra peça por baixo. Alisou os meus seios por sua extensão enquanto me observava respirar freneticamente. O primeiro a sentir o calor de sua língua foi o direito para logo depois vir o esquerdo. Alternava entre eles como se nunca mais os pudesse ter novamente. E a sensação que tive foi a mesma... eu sentia que não nos veríamos mais. Era como se fosse uma transa de despedida. Só que enquanto ela estivesse se fartando comigo, eu tentaria não pensar nisso.
Camila pausou a tortura apenas para me pergunta de forma sedutora e completamente safada: - Sabe o que eu quero agora, gostosa?
A respiração alterada, arfada quase não me permitiu responder. – O quê? Diz...
Aquela mulher sorriu diabolicamente e disse: - quero que goze pra mim... na minha boca! Goza, Sunny!
 Cada palavra daquela me causava um arrepio inexplicável e ia aumentando ainda mais o meu desejo. Voltou a sugar meus seios, só que desse vez, com pressa como se realmente aquele momento fosse acabar num piscar de olhos. Retirou minha bermuda... parou por um instante para observar a calcinha de rendas brancas e soltou: - Como você é linda!
Segurou-me por um dos braços e mandou que eu fosse para o sofá. Assim que sentei nele, Camila agilmente ajoelhou-se em minha frente... abriu minha pernas... olhou e gostou do que viu. Aquele sorriso era de uma safadeza tamanha... Levou o dedo médio até a boca... sugou e o enfiou em mim ao mesmo tempo que sua boca cobria um dos meus seios, me fazendo contorcer. Movimentava aquele dedo com precisão... segurou minha nuca e puxou-me ao seu encontro, enfiando novamente aquela língua ébria e macia entre os meus lábios. O vai e vem do seu dedo estava me deixando louca...era estonteantemente enlouquecedor... Aquela mulher que outrora não sabia o que queria, estava sendo a dona total da situação. Era isso o que ela queria? Me comer? Isso ela teria.
A imagem da Camila descendo até o meio das minhas pernas foi um tanto quanto... turva... escura... minha visão começou a ofuscar... já não conseguia distinguir mais nada, qualquer outra forma dentro daquele quarto, que não fosse o sorriso dela. Quando Camila encostou sua língua em meu sexo, explodi...tremi...receei inteiramente para ela, que intensificou as passadas de língua e me sugou cada vez mais rápido, num ritmo alucinante... enquanto eu rebolava na cara dela, Camila arranhava e  apertava forte as minhas coxas, aumentando ainda mais o prazer que me proporcionava. Ela se afastou do meu sexo... olhou pra mim e pediu:
- Quando gozar, grite o meu nome!
Estava tão excitada que segurei sua cabeça e praticamente enfiei ela de novo no meio das minhas pernas enquanto eu pedia para ela me fazer gozar logo... Camila lambeu...sugou... devorou... até que eu não consegui mais segurar a vontade de me libertar. Retesei todo o corpo e disse: - Vou...goz...
Ela continuou me sugando até que veio a explosão de sentimentos ímpares... Abri os olhos para olhá-la e gritar por seu nome, mas todo êxtase pareceu desfalecer, perder força assim que vi aquele rosto conhecido gargalhando pra mim... minha única e automática ação foi gritar, não por tesão e sim por espanto: - Flávia!!!
O corpo suado, tenso e com a respiração descompassada saltou da cama me fazendo sentar num rompante desesperador. Olhei para os lados tentando identificar o ambiente em que me encontrava. Onde estava Camila? E Flávia? O relógio foi o delator do que tinha realmente acontecido... 03: 23 da madrugada. Levei as mãos à cabeça e deixei o corpo cair sobre a cama novamente. O pesadelo tinha sido tão real que era possível sentir o cheiro da Camila em minha pele... e o mais incrível é que eu estava molhada.. .excitadíssima... era como se realmente tivesse acontecido. Mas... o que Flávia tinha que aparecer no meu sonho?
O sono foi embora, fugindo como o diabo fugia da Cruz... e ali fiquei... solitária, taciturna, compenetrada... repassando cada cena, transformando o momento num momento completamente sadista.
Vi o dia chegar por meio dos seus raios claros e invasivos. O meu corpo estava cheio de dor, reflexo da aflição, da agonia e sofrimento causados pela experiência surreal da noite.
Era preciso mais do que força para levantar e arrumar a casa. Precisava mesmo era de vontade e coragem para encarar Camila mais tarde. Sabia que não seria como havia pensado. O que me fazia crer nisso? Aquelas palavras que me dissera ao telefone tinha um tom ...digamos que de nunca mais.
"Eu vou, mas o que te falei antes é a pura verdade, e não um enigma que você precise decifrar ou interpretar. Pelo contrário, é muito simples. Não quero ser sua amiga, é só sexo. Será que é tão difícil assim de entender?"
Se ela soubesse a força que fiz para dizer " - Sim. Pode vir." Teria desistido de vir perder seu tempo. Sim, porque se em algum momento passou por aquela cabecinha complicada fazer da minha igual complicação, vai se dar muito mal.
Como dizia meu avó quando alguém queria ser mais esperto que ele em situações de sua total experiência: "-Dessa escola eu fui expulso por saber demais." 
Bastava-me arrumar para a vinda dela. O som já estava ligado enquanto eu andava entre os cômodos da casa. Mas confesso que a única música que chegava na minha mente eram aquelas palavras. Cruéis? Não! Apenas desnecessárias.  Vejo como uma forma fraca que ela encontrou para brincar com meus sentimentos. Se era assim que ela queria, tudo bem. O que era dela estava guardado para o momento propício.
Tinha aprendido uma coisa nessa minha vida. Se o que desejo não é o melhor para mim, apenas deixo o desejo passar. Não é questão de não lutar pelo que queria. Mas sim, de enxergar que não podia ganhar sempre. Eu sabia distinguir o que era bom do ruim.  Aprendi a escolher ou pelo menos a ouvir o que queria naquele momento. Para mim, tinha ficado claro que eu e ela podíamos nos dar bem, mesmo que estivesse na cara as nossas diferenças. Mas se ela não estava disposta a esse trabalho, não iria implorar por algo que nunca tive.
O último cômodo a ser arrumado foi o quarto. Forrei a cama e ao deslizar a mão pelo lençol, as lembranças de nós duas naquela cama vieram com toda a força. O que minha cabeça queria comigo? Me enlouquecer? Me desestabilizar? Eu não podia ser fraca diante dela. Precisava manter a minha calma para enfrentar com sabedoria qualquer que fosse a palavra proferida por ela.
Ao passar pela sala indo em direção ao meu quarto, começou a toca uma música no rádio que me fez prestar atenção em sua letra, enquanto me vestia.
 
"De você sei quase nada
Pra onde vai ou porque veio
Nem mesmo sei
Qual é a parte da tua estrada
No meu caminho
Será um atalho
Ou um desvio
Um rio raso
Um passo em falso
Um prato fundo
Pra toda fome
Que há no mundo
Noite alta que revele
Um passeio pela pele
Dia claro madrugada
De nós dois não sei mais nada
De você sei quase nada
Pra onde vai ou porque veio
Nem mesmo sei
Qual é a parte da tua estrada
No meu caminho
Será um atalho
Ou um desvio
Um rio raso
Um passo em falso
Um prato fundo
Pra toda fome
Que há no mundo
Se tudo passa como se explica
O amor que fica nessa parada
Amor que chega sem dar aviso
Não é preciso saber mais nada."  
(Quase nada, de Zeca Baleiro)
 
Quando a música terminou, estava eu sentada na cama pensando... tentando encontrar onde eu tinha perdido as rédeas da minha vida. Talvez em ter aceito aquela proposta de ter só sexo dela. Se eu tivesse jogado limpo desde o começo, poderia ter Camila... talvez, talvez. Só era claro que por eu não ter sido mais direta, por ter feito um joguinho infantil, tinha simplesmente de ouvir que ela não queria nada além de sexo. E pra piorar agora ainda tinha o encosto da amiga inseparável dela voltando a todo momento para me atormentar. Será que ela estava trazendo Flávia consigo?

Balancei a cabeça num desejo inútil de sumir com meus pensamentos idiotas. Era claro que Flávia não viria a tira-colo. Afinal, não seria um encontro a três. Nem queria. Flávia não me agradava em nada. Ela era até uma mulher bonita e divertida, mas era atirada demais e sem qualquer senso de escolha. Lembro-me bem de sua investida em mim na praia. Mal ela sabia que meu coração tinha disparado diferente quando vi Camila. Mas essa, sempre tão na defensiva, nem teve coragem de falar comigo mesmo tendo visto que meus olhos não saiam dos dela.
- Medrosa!
Soltei alto ao mesmo tempo que levante-me decidida.
Peguei o celular e liguei:
- Tá onde?
- Oi, Sunny. Em casa. Por quê?
- To indo aí.
E sem dar tempo para ela questionar qualquer coisa, desliguei o telefone. Peguei as chaves, o capacete e saí.
Sabia que Camila podia chegar a qualquer momento, mas eu precisava disso. Precisava esclarecer algumas coisas.

Em questão de minutos eu estava diante da porta do apartamento da Lú, que abriu a porta no segundo toque da campainha.
Sua feição era de espanto por minha ida tão repentina assim.
- Sunny, o que aconteceu? 
Dei um beijo nela e entrei logo em seguida. Olhei para a sala à procura de mais alguém.
- Ive não está. Volta só a noite.
Falou como se soubesse que eu preferia conversar só com ela.
Sentei no sofá de dois lugares e esperei ela sentar no outro. Assim que o fez, perguntei:
- Lu, preciso desabafar. Estou a ponto de estourar... Camila tá vindo pra cá, mas sei, na verdade sinto que não será bom...
E desandei a falar. Contei sobre Gabi até chegar na ligação que eu tinha feito para Camila. Luciana escutava tudo atentamente. Não me interrompeu uma vez sequer. E assim que eu terminei de falar, ela deu sua opinião. Achou que tinha sido muito bom da minha parte ter tomado a iniciativa, mas que diante do comportamento estranho da Camila, não sabia exatamente o que estava por vir.
Então contei sobre o sonho e perguntei se aquilo podia ser algum presságio, agouro, sei lá.
Ela ficou séria e devolveu a pergunta pra mim.
- O que você acha, Sunny?
- Eu não acho nada... por isso vim aqui. Sabe o que ficou na minha cabeça aqui... martelando forte depois desse pesadelo? Que Flávia pode ser um problema pra mim.
O que acha, Lú? Por favor, fala alguma coisa. Já sei! Me responde... As duas já tiveram algo?
Luciana levantou do sofá e foi até a janela. Ela queria disfarçar qualquer sinal de instabilidade que a pergunta causou. Eu sabia que ela conhecia bem a Flávia, de longa data.
- Vai, fala, por favor!
Ela voltou-se de frente para mim e abriu o verbo.
- Sunny... Flávia e Camila se conhecem a muitos anos. Desde a faculdade... são amigas inseparáveis. Quando Flávia apareceu na vida da Camila, essa já estava apaixonada por  Sandra. Lembro dela me contando que Camila não olhava para mais ninguém. Só queria saber como podia chamar atenção daquela guria que andava sempre com um instrumento musical nas costas ou nas mãos.
- E ela ajudou? Na conquista?
- De uma certa forma, sim. Flávia era feliz vendo Camila feliz. E depois do desaparecimento da Sandra, foi ela que deu todo o apoio de que Camila podia precisar.

Fiquei em silêncio, unindo as peças do quebra-cabeça que eu tinha inventado.
Às vezes acreditamos tanto em algo, que começamos a enxergar coisas. E eu estava condicionando a minha mente a acreditar que naquele mato tinham dois coelhos.
Sentei ao lado da minha amiga, segurei suas mãos e pedi pra ela ser a mais sincera possível comigo.
- Camila teria algo com a Flávia?
Lú não podia acreditar que estava ouvindo aquilo de mim. Mas com muita sabedoria, me respondeu sem hesitar.
- Sinceramente eu não sei. Mas se rolar algo, com certeza será forte. As duas se combinam, Sunny. Flavia sabe de tudo sobre Camila. E Camila também sobre Flávia. Posso até dizer que se não aconteceu nada até hoje, foi só e exclusivamente porque Sandra existia.

Deixei rolar uma lágrima solitária por meu rosto. Sequei antes que ela pudesse ser notada por minha amiga. Assim que sequei, levantei dizendo que ela tinha me dito o que eu precisava ouvir. Era tudo o que eu não queria ouvir, mas que com certeza, faria eu agir da melhor forma com Camila. Lú me acompanhou até a porta e perguntou se eu ficaria bem.
- Vou tentar, Lú. Te ligo, tá bem?
- Por favor... faça isso.
Nos abraçamos e logo em seguida eu saí.

Exatos quarenta minutos depois deu ter chegado à minha casa, ouvi o motor de um carro parando enfrente. Olhei por detrás da cortina... era ela.
Estava pronta... preparada para tomar conta da situação, pois a melhor defesa era o ataque.

Assim que soou a campainha, abri a porta e lá estava Camila com um olhar diferente de todos os outros que já me destes. Meu sentimento era de já ter visto aquela cena. A recebi com um sorriso. Olhei para suas mãos... nenhuma mala ou bolsa que indicasse sua permanência aqui. Sem perder o charme, ainda sorrindo, pedi para que ela entrasse. E ao fechar a porta ataquei, pegando-a de surpresa:
- O que está acontecendo entre você e a Flávia?
Se fosse como no sonho esse seria o momento em que ela nada responde e vem pra cima de mim para me dar prazer. Mas como era realidade, ela permaneceu de pé diante de mim, com uma feição preocupada. Suspirou, como se tentasse se libertar de algum mal e olhando pra mim revelou:
- Estamos ... nos conhecendo.
Ela aguardou a minha reação. Talvez pensasse que eu iria fazer mil questionamentos ou quem sabe até um barraco. Mas não... isso não correspondia a minha natureza.
Sorri pra ela e perguntei se queria um copo d'água. Disse que não, mas mesmo assim eu fui até a cozinha e peguei uma garrafa e dois copos. Coloquei em cima da mesinha e falei:
- Senta, Camila. Não paga nada não.
Meio que desconcertada, sem jeito ela aceitou e sentou. Fiz o mesmo, ao lado dela... ficamos em silêncio. Ela fitando ponto do chão da casa... e eu, para ela.
- Camila, olha pra mim.
Ordenei e ela obedeceu, levantando sua cabeça lentamente até fitar meus olhos. Quando os tive nos meus, continuei:
- Você veio aqui para me dizer que está conhecendo melhor sua amiga de anos. Não é mesmo? Pois então... não se preocupe em me dar detalhes da sua vida. 
Ela balbuciou alguma palavras, mas a cortei na mesma hora. - Por enquanto eu falo, Camila.
Não pedi com arrogância. Apenas pedi, nas entrelinhas, que ela respeitasse meu momento.  -  Sabe... quando eu te conheci de fato, no dia em que nos falamos pela primeira vez... no apartamento da Flávia... eu vi uma mulher assombrada pelo passado e morta para a vida no presente. Uma garotinha perdida que queria sua vida de volta, pois não tinha coragem de se permitir sequer olhar para frente. Era a coitada, a infeliz dentre as amigas. A sofredora ao extremo. Mas... também vi uma mulher que pedia socorro com os olhos. Que suplicava para a vida lhe apresentar algo ou alguém que pudesse iluminar um pouco da escuridão em que você vivia.
Fiz uma pausa enquanto a observava calada...
- O que eu fiz por você, Camila, tenho certeza de que nunca vai esquecer. E sabe porquê? Porque não foi nenhuma das suas amigas que conseguiu te fazer sorrir novamente, que te fez sentir o tesão correndo nas veias.... que te estimulou a abandonar a figura da coitada e se transformar numa mulher determinada.
Me diz... quando que você iria sair de Blumenau para querer dormir com alguma outra mulher que não fosse Sandra? Nunca né? 
Ela abaixou o olhar...
- Se eu disser pra você que não estou decepcionada, será uma grandiosa mentira. Eu sei que não agi da melhor maneira. Quis fazer ciúmes com a minha amiga e pelo visto, mesmo não tendo acontecido nada entre mim e ela naquela noite, não causei nada em você. Eu tenho que admitir que agora vejo claramente, que eu servi, ou melhor, eu apareci na sua vida para te encorajar a viver. Mesmo que isso tenha me custado caro, fico feliz por ter aberto o caminho para Flávia.
Não posso te cobrar nada. Nunca pude. Afinal, você nunca quis nada além de sexo, não é? Fantasiei algo contigo, pois você também me apresentou um mundo novo. Só que vejo que nossa relação não podia ir além disso. Não temos nada a ver.
Não é verdade, Camila?
- Sim.
Ela se arriscou a responder.
- Mas sabe o que me deixa mais triste nisso tudo, Camila? É a sua aproximação com Flávia. Você ficou dois anos presa no seu mundo sombrio... aí eu faço todo o trabalho de libertação e vem ela e pronto! Te ganha assim facilmente. Isso sim é uma razão para eu me decepcionar contigo.
- Sunny... eu...
Ela ensaiou alguma objeção ao que eu tinha dito até agora. No entanto, coloquei meu dedo em sua boca, pedindo que ela permanecesse calada.
Cheguei mais perto... passei os dedos em seus cabelos negros...
Pude ver Camila se arrepiando. Não sabia qual a intensidade do envolvimento entre as duas, e na verdade nem cabia a mim saber. Mas era muito bom ver que ela ainda reagia ao meu toque...
Aproximei meu rosto do dela a ponto de sentir o aroma que saía de sua boca... Segurei sua cabeça com minhas mãos... e depois contornei seus lábios com meu polegar... estimulando-a a abrir sua boca para assim me permitir beijá-la. Um toque suave, brando... um beijo cheio de ternura e além de tudo, cúmplice. Após o beijo, Camila passou a mão acariciando meu rosto e carinhosamente me disse:
- Sunny... eu sinto muito se ...  de alguma forma te magoei. Eu quero que saiba que você foi e sempre será importante pra mim. Como você disse, sempre me lembrarei de ti como a pessoa responsável por me fazer ver que havia vida após a Sandra.
Não sei do meu futuro, seja com Flávia ou não... mas sei que apesar de sentir uma atração sexual fortíssima por ti, nossa relação não iria pra frente.
Eu tive que concordar.
Ela segurou minhas mãos e perguntou se podíamos ser amigas. Soltei um sorriso para disfarçar minha angustia e pensamento.
- Camila... sinceramente, nesse momento não conseguirei ser sua amiga. Não era esse o meu propósito contigo. Mas vou continuar te respeitando e te tratando bem. Só que não tem como a gente continuar, pelo menos por enquanto, com uma amizade. Vai passar... um dia vai passar.
- Sunny... você é linda demais... e sabe... gostosa também.
Deu aquele sorriso safado de quem tem propriedade no que falava... - Eu não mereço uma pessoa tão radiante como você. Quero muito que seja feliz e sei que um dia você vai encontrar alguém que te complete de verdade.
- Vou sim, Camila. Mas não tenho pressa. Deixo acontecer naturalmente.
Ela pediu um abraço e disse que jamais esqueceria de mim... jamais.
Quando nos afastamos, estávamos chorando...
Doía sim esse momento de ... despedida. Afinal, eu não podia ser indiferente a tudo o que tinha acontecido. Aquela mulher havia sido responsável por me apresentar um mundo de possibilidades. Restava-me conhecê-las.
Camila levantou dizendo que ela estava indo embora. A mim cabia acatar sua vontade e acompanhá-la até a porta. Mas antes, pedi pra ela esperar.
Fui até o quarto, peguei um embrulho pequeno e levei para a sala.
- Queria te dar isso.
Estiquei o braço, entregando-lhe o pacote pequeno.
- O que é isso, Sunny?
- É só uma lembrança... abre.
Ela olhou com ternura para o embrulho. retirou o papel e abriu a caixa.
Era um par de brincos bastante delicados feitos por mim, que tinha a inicial de seu nome feita de miçangas bem minúsculas.
Seu sorriso iluminou seu rosto no momento que ela viu o presente. Agradeceu diversas vezes e pediu desculpas por não ter me dado nada.

A levei até o carro...
Nos despedimos com um abraço forte... Ela ligou seu carro, olhou pra mim mais uma vez e arrancou... Queria que ela tivesse levado consigo toda a minha mágoa e decepção.

Entrei em casa... era noite já... Joguei as chaves sobre a mesinha... caminhei até o quarto... apertei o power do minisystem que ficava na cabeceira e me joguei na cama... para minha surpresa e martírio, a primeira música que tocou veio trazendo o  choro  forte, convulsivo... como uma tempestade que surge para inundar, mas também para trazer nossas possibilidade para a terra fértil.

"Depois da última noite de festa
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
As coisas aconteciam com alguma explicação
Com alguma explicação
Depois da última noite de chuva
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
Às vezes peço a ele que vá embora
Que vá embora...oh...
Camila, Camila, Camila .... " 

 
Antes de pregar no sono, recebi um sms em meu celular. Era dela... Camila... e dizia assim: - Ah... se todas fossem como você!
Sorri e me permiti dormir. Amanhã seria um outro dia. Um belo e novo dia... 


.

26 comentários:

  1. Eita que vocês me pegaram de surpresa. Como assim, penúltimo capítulo?
    Sunny é uma mulher muito forte, penso que as duas não ficarão bem juntas. Sunny tem o espirito aventureiro, Camila gosto e precisa de um porto seguro.
    Parabéns pelo conto e pela dedicação. Vocês foram perfeitas. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida amiga Célia, como assim vc não sabia que era o penúltimo? Queria mais quantos capítulos hein??? rsrsr
      Tá bom... confesso que eu tb queria mais alguns. Adooorei esse conto e já está doendo ter de me separar da Sunny! rsrs
      Obrigada por sua participar com suas observações maravilhosas!!! Adoro seus posts!!!
      Beijos e que venham mais e mais histórias com essa autora sensacional que é a Di!

      Excluir
  2. Poxa, capítulo muito emocionante confesso que chorei torcia muito pra que a Camila ficasse com a Sunny, mas parece que não deu né. parabéns pra vcs meninas! aguardamos novas historias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lindona! Não era pra fazer ninguem chorar, viu? Mas não fica triste não. Diedra ainda não terminou o cap. dela... então tudo é possível! rsrsr
      Beijos e obrigada por seu carinho!
      J. Hunter

      Excluir
  3. Me sinto decepcionada.
    Camila não se permitiu viver algo com Sunny. Acaba com algo que nem começou com a desculpa que não daria certo pelas diferenças que pesam, sem ao menos tentar é digno de pena.
    Sunny foi minha personagem favorita na historia, merecia um final digno.
    A vida é feita de escolhas, foi um belo conto.
    Parabéns meninas. Forte abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Huuum adoro Polenguinho!
      Desculpe, não resisti com o trocadilho! rsrsrr Brincadeiras à parte, acho que Camila podia se permitir conhecer a maravilhosa da Sunny, né? Ela tem tantas coisas boas para apresentar à outra. Como viver sem amarras, como aproveitar a vida... enfim... Mas nem tudo é como queremos, certo???
      Sunny vai ter um final feliz, pode ter certeza disso!!!!
      Linda... obrigada por seu carinho!!!
      Beijocas J.Hunter

      Excluir
  4. Sinceramente, até eu me decepcionei com esse desfecho todo... Muito triste isso...
    Sunny e Camila dariam certo sim, quando se quer, dá-se um jeito... Bastava isso! Ao meu ver, Flávia não merece conhecer Camila... Mas... Nada é como queremos mesmo, fazer o quê né?!

    Muito Triste com isso :'(

    E por saber também que esse é o penúltimo capitulo... =/


    Parabéns Lindas! Pelo conto tão maravilhoso que vocês nos presentearam... Adoroo! :) Beijos'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andressa, minha querida... vou te contar um segredo. Espero que ninguém leia isso, nem a Di, senão ela me mata. rsrsr
      Eu nunca ficaria com a Flávia, sabe? Não ia conseguir confiar nela. Mas em contrapartida a história tb mostra o sofrimento dela por amar calada a amiga. Precisamos sempre analisar pelos dois lados. Não há uma verdade que seja absoluta quando se tem mais de uma pessoa envolvida.
      Eu tb queria a Sunny com Camila... Mas quem está perdendo é a Camila né? rrsr
      Linda é vc que nos acompanhou por todo esse tempo, que comentou e nos fez feliz com seu carinho! Obrigada viu???
      Super beijos mais que cariocas...
      J.H

      Excluir
  5. adorei,estou curiosa pra saber como que vai terminar,tadinha da Sunny .... bj enorme!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha Aninha... tadinha da Aninha...opa, da Sunny! rsrsr
      Quinta teremos El Gran Finale!!! Espero que goste!!!
      Olha... sempre adorei seus comentários no face e aqui tb!!!
      Super beijos
      J.H

      Excluir
  6. Jenny Hunter...
    Já vim aqui e te falei mtas coisas q não eram elogios.
    E como vim para criticar também tenho q vir para enaltecer.
    Parabéns guria, esse cap. foi sem duvida alguma o melhor dos teus capítulos, um capitulo q está realmente a tua altura, já li alguns dos teus contos e nesse capitulo te reencontrei.

    Parabéns mais uma vez...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Rê! Eu fiquei até emocionada agora, sabia?
      Então... quando comecei a escrever com a Di, ainda estava na correria da monografia e acho que isso atrapalhou um pc. Longe de mim achar que escrevo bem. Como já disse em muitas outras vezes, não sou escritora profissional e nem faço disso meu sustento. Me arrisco nas linhas do caderno tentando apenas colocar minhas ideias para fora da cachola. Lido com números o tempo todo e de verdade, AMO LETRAS!!! Amo ler, amo escrever...
      Gostaria de poder dominar essa arte, assim como minha comadre Diedra! Vamos combinar que ela arrebenta, né? E como!!!
      Escrever com ela foi um super aprendizado e vou levar isso pro resto da vida. Acho que nesse capítulo eu estava sintonizada com a personagem.. por isso vc gostou!
      Mas achei muito legal e genuíno da sua parte vir aqui e me estimular, pois suas críticas e seus elogios são vistos como uma forma de me estimular a ser melhor a cada linha. Fiquei feliz por ter gostado desse capítulo e espero que goste do próximo!!!
      Mais uma vez, obrigadaaaaaa!!!!
      Super beijos, Rê!!!!

      Excluir
  7. Parabéns Jenny conseguiu descrever nesse capítulo tudo que eu sinto pelo fato da Camila não ficar com a Sunny, decepção e mágoa. Ai que dó da Sunny dormir chorando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lara. Tudo bem? Menina, eu acho que eu me lembro de vc... tenho a ligeira impressão de já ter conversado ctg na época que eu postava no XIB. To enganada???

      Então... Sunny vai acordar bem! Vai ficar bem!!!! Acredite nisso!!!
      Agora é rezar e pedir pra Di vir e dar uma alegria à Sunny né? rrsr
      Beijooos!

      Excluir
    2. Jenny coração, nunca li nada nesse tal de XIB, infelizmente, gostaria muito q eu fosse a pessoa que tu falou aí (quer dizer se ela deixou boas lembranças néh), sinto muito... seria uma honra ter conhecido vc dessa época. Bjs... e só mais uma coisinha...
      “Team Sunny” rsrs

      Excluir
  8. bom dia meninas, nada melhor do que começar o dia com uma leitura rica assim!! triste pelo fim do conto, mas feliz pelo lindo trabalho de vocês. espero realmente que assim como o dia que amanhece, a Camila possa cair em si e ver a besteira que fez, pois se a Flavia esteve ali todos esses anos e ela nunca a notou, por que agora isso aconteceria??

    eu assim como o nome da Camila, tbm tenho uma historia parecida com a dela, não tive uma Sandra que sumiu, mas outra mulher que tbm se foi pra longe e assim como Sunny, RECEBI UM RAIO DE SOL QUE TROUXE LUZ DE VOLTA A MINHA VIDA, e pelo menos pra mim esse foi o melhor acontecimento de minha vida, não o perco por nada...

    grande Abraço a vocês minhas belíssimas e mega talentosas escritoras, já estou com mta saudade!!!

    *ansiosa pelo novo e ultimo capitulo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camilinha... que maravilha você aqui comentando. Adoro!!!
      Eu estou à espera da Camila cair em si e ver que a Sunny tb!!! rsrsrsr É uma possibilidade né? Não tem nada finalizado ainda. Só quando vier o final! rsrs
      Fico muito feliz por ter encontrado a mulher da sua vida. Eu tb! Sou tão feliz com minha pequena.
      Ela é tão diferente de mim, mas nossas diferenças nos completam. Amo muito!!! Mande beijos para sua digníssima!
      Quinta tem mais!!!
      Beijos de quem te adora!
      Jenny!

      Excluir
  9. quero camila com sunny!!! q tristee :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não choraaaaaaaaaa!!!
      Ainda não está terminado! Tudo pode acontecer, né Diedra Roiz?
      (ela vai me matar, Gynna!)

      Super beijos linda!

      Excluir
  10. Poxa a vida amei de verdade a parceria desse conto mas queria muito que Sunny e Camila desse certo é parece que não né rs .Jenny querida capitulo maravilhoso me emocionei parabéns! espera a outra parte quem sabe tenho uma supressa ai rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivi...Sabia que to admirada com a quantidade de gente torcendo para Sunny e Camila? Essa Camila tá disputada né?
      Acho que Flávia e Camila e Gabi e até a safada da Sandra podiam era gostar da Sunny! rsrsrsr
      Obrigada pelo seu carinho!!!
      Beijooooooooooooooooooooooooooos

      Excluir
  11. Não sei por que fiquei com a impressão que esse conto teve que ter o fim antes do fim.

    Não sei se pela falta de tempo das autoras, mas foi o que me passou, de qualquer forma a historia é muito boa.
    Quero a Sunny com a Camila e ainda tenho esperanças que a Diedra vai nos provar que pode ser mais do que só sexo.
    Pelo menos, deixa eu sonhar com esse final né... =(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sal!!!! Tudo bem???
      Então... de uma certa sim. Di vai entrar em uma maratona de apresentações e eu vou me preparar para uma prova! Eu adoraria prolongar esse conto... mas não deu...infelizmente!
      Ainda bem que você gostou mesmo assim né?
      Já gostei de vc! Afinal tb torce para a Camila e Sunny! rsrs Mas uma parte do final está nas mãos da Di... vamos ver o que ela aprontará!
      Estou ansiosa tb!
      Lindona... obrigada por seu carinho!!!
      Bjs cariocas!
      J.Hunter!

      Excluir
  12. Ai meu Deus!!! Gente, é só eu ou alguém mais é totalmente apaixonada pela Sunny?!
    Quase chorei com ela!! Esse capítulo foi simplesmente tocante e definitivo pelo jeito neh!!
    Mas espero, sinceramente, dona Jenny, que vc e minha querida Diedra não deixem a Sunny assim, plissss!!!!
    Ansiosa, mas já com uma certa nostalgia a espera do último capítulo...
    bjOnnn!

    ResponderExcluir
  13. Camila..... agora sim!!
    musiquinha que disse tudo....como pode....
    confesso: sentindo essa dor de Sunny ... como se trata da realidade de muitas de nós leitoras...
    cada dia mais feliz com este conto.
    fico me perguntando e se ele se torna-se um filme...?...

    ResponderExcluir
  14. Que capítulo foi esse Jenny? Surpreendente! No começo eu fiquei: - WTF, ela transou com Flávia achando que era Camila? kkkkkkk E o final? LINDOO, simplesmente lindo esse capítulo. Realmente, AH... SE TODAS FOSSEM SUNNY, de bem com a vida, pra cima, toda linda. Parabéns Jenny, pena que tá chegando ao fim. rs

    ResponderExcluir